icon-arrow-down icon icon-arrow-fill-down icon icon-arrow-next icon icon-arrow-prev icon icon-tag-close icon

Linguagem & Aprendizado

Como ajudar a criança a fazer amigos (sem fazer por ela)

Por que esconder os brinquedos preferidos e fazer algumas explorações pode ajudar até as crianças tímidas a fazer amigos

compartilhar

Você comprou a nova mochila, estocou lanchinhos (e lencinhos) e a criança grande parece pronta para o primeiro dia de aula. Mas e a parte social? Mesmo as crianças mais desinibidas podem ficar nervosas ao ter que fazer novos amigos. Mas aqui você vai saber como ajudar nesse momento.



Faça um Tour "Chegar em um novo lugar pode gerar ansiedade a qualquer idade, mas principalmente para crianças", diz a educadora Michele Borba, especialista no assunto e autora de 22 livros de educação, incluindo o The Big Book of Parenting Solutions e UnSelfie: Why Empathetic Kids Succeed in Our All-About-Me World, sem tradução para o português. Acalme a ansiedade e retire alguns medos, levando a criança para conhecer a escola antes das aulas começares, diz Borba. Ter uma noção do local onde é a escola pode ajudar a relaxar e estar mais preparado para o primeiro dia.



Abra o caminho. "Não esqueça da sua própria influência como "fazedora de amigos", complementa Borba. Ao conectar com outros pais na escola, você facilita a apresentação das crianças mais tarde. Considere fazer um voluntariado na escola e tente também ir aos eventos e encontros de orientações que antecedem o ano letivo. Se você puder, ajude em projetos da escola ou peça carona para outra família levar vocês a uma festa de aniversário.



Comece aos poucos. Foque em encontros um a um para começar. “Isso não só ajuda a criança a aprofundar amizades individuais, além de ser mais tranquilo do que enfrentar um grande grupo de crianças", diz Eileen Kennedy-Moore, Ph.D., psicóloga e autora das série Raising Emotionally and Socially Healthy Kids. Por último, seja breve. "É melhor terminar bem do que esperar as duas crianças cansarem e ficarem rabugentas", complementa Dr. Kennedy-Moore.



Não tente gerenciar. Por mais tentador que seja, não tente ficar conferindo se todo mundo está se divertindo em casa ou no parque. Fique observando e deixe as crianças se divertirem sozinhas. "Ajude com ideias de jogos, mas não se envolva demais. Se quiserem mudar as regras, tudo bem, o que vale é a diversão", diz Borba. "Os pais que estimulam e deixam a criança brincar mias livremente tem mais sucesso em ajudar crianças tímidas do que pais que tentam supervisionar tudo e ficam muito em cima. Então, resista a tentação de ser o "diretor dessa cena".



Esconda os preferidos. Um dos maiores problemas das crianças é dividir, então é preciso evitar brigas se planejando antes. "As crianças dessa idade ainda brincam paralelamente, o que significa que duas crianças brincam perto uma da outra, mas não juntas", explica Dr. Kennedy-Moore. "Ter múltiplos de alguns tipos de brinquedo, como dois carrinhos de compra, dois regadores ou dois carrinhos de corrida é algo que ajuda a evitar disputas". O que fazer com o brinquedo preferido da criança? Guarde antes da outra criança chegar, sugere, Dr. Kennedy-Moore.



Vista-se de simpatia. "A criança se sentirá mais confortável em conhecer outra criança se ela souber os passos básicos de como fazer amigos, mesmo as coisas mais simples como dizer "Olá" ou se apresentar, diz Dr. Borba. Uma das melhores maneiras de ensinar isso é sendo o exemplo. "As crianças aprendem melhor observando antes, depois tentando. Então, encontre oportunidades para o seu filho te ver praticando essas coisas no mundo real", completa Dr. Borba. Apresente-se quando estiver na escola, ao buscar ou até mesmo no parquinho. Então, brinque de ser um coleguinha de classe com o seu filho e pratique em casa, o que vai deixá-lo mais confiante na escola.



Seja positiva! As crianças precisam ter coragem para fazer novos amigos, então elogie todo esforço que seu filho fizer, sugere Dr. Borba. Você pode dizer "Eu vi que você sentou perto daquele menino no parque e conversou com ele. Estou muito orgulhosa!" ou "Muito bom você ter dividido o seu brinquedo com o amiguinho que nos visitou. Tenho certeza de que ele se sentiu especial." Reconhecer os esforços vai ajudar a criança a manter esses comportamentos em uma nova escola, e no parquinho também!