icon-arrow-down icon icon-arrow-fill-down icon icon-arrow-next icon icon-arrow-prev icon icon-tag-close icon

Saúde & Segurança

Antibióticos e Crianças: 8 Coisas que os Pais Precisam Saber

As bactérias resistentes a antibióticos estão aumentando, então é importante conhecer as recomendações dos especialistas

por Linda Rodgers
compartilhar
Imagens

Os "bichos" resistentes à antibióticos são um problema crescente e essas bactérias difíceis de tratar são ameaças para crianças também, de acordo com um novo estudo. A pesquisa da Faculdade de Medicina de Case Western Reserve descobriu um aumento de 700% em infecções causadas por bactérias resistentes a antibióticos, incluindo a salmonella e E.coli entre crianças americanas, nos últimos oito anos. Uma das grandes causas desse aumento é o uso exagerado de antibióticos. Segue aqui o que os pais precisam saber em relação aos antibióticos: 


1. Saiba o que os antibióticos podem e não podem tratar. A maioria dos germes que as crianças pegam são vírus—resfriado, tosse, dor de garganta—e os antibióticos não tratam esse tipo de coisa, diz o Dr. Stan Spinner, chefe da pediatria do Texas Children’s Pediatrics e Texas Children’s Urgent Care. Mas, os antibióticos podem matar a bactéria por trás de uma infecção de garganta, ouvido e pele.

2. Uma infecção de ouvido pode esperar. Quase metade das infecções de ouvido melhoram sem remédios prescritos. "Ainda é importante usar antibióticos para crianças muito novas com febre muito alta. Mas para a maioria das crianças saudáveis, um ibuprofeno e muito mimo já dão conta de uma dor de ouvido", diz a Dra. Claire McCarthy, diretora do setor de diagnóstico pediátrico do Boston Children’s Hospital e professora assistente de Pediatria da Harvard Medical School.

3. Não encurte o tratamento. Sim, é difícil fazer a criança engolir o remédio, mesmo com sabor de morango ou tutti-frutti. Mas se a criança não seguir o tempo da prescrição completamente, a infecção pode voltar. "Você também está dando chance da bactéria encontrar uma maneira de fugir do antibiótico. Se você estiver pensando em parar, seja qual for o motivo, ligue antes para o médico", orienta Dr. McCarthy.

4. Evite compartilhar. Mesmo se você tem outra criança com os sintomas parecidos, não trate as duas com o mesmo frasco. Nenhuma das duas vai receber o tratamento completo e uma delas pode nem estar precisando da medicação. "Mesmo que os sintomas sejam parecidos, pode não ser a mesma coisa", explica Dr. Spinner.

5. Prepare-se para os efeitos colaterais. Os mais comuns são: diarreia, estômago sensível e irritações na pele. "Probióticos—seja em pacote, capsulas ou o igorute natural—podem ajudar na recuperação da flora intestinal", explica McCarthy.

6. Fique de olho nas alergias. Irritações também podem ser um sinal de reação alérgica. Outros sinais de alergia na criança: Se dois ou mais parentes diretos tem alergia a um antibiótico particular ou grupo de antibióticos, o risco da criança ser alérgica aumenta de 5% para 10%, diz Spinner.

7. Entre em contato com o médico, principalmente se a criança não se sentir melhor em até 2 dias. Pode ser que o antibiótico não esteja funcionando ou a infecção pode ter espalhado. Se for o caso, o pediatra deverá prescrever outro antibiótico para melhorar o tratamento.

8. Descarte resto de medicamentos. Não guarde nada! Os antibióticos não são iguais e não tratam as mesmas coisas. Além disso, eles geralmente tem curta validade e podem causar muitos efeitos adversos quando vencidos.

Nossos conselhos aos pais são apenas sugestões. Recomendamos que você também consulte um médico caso sua dúvida seja urgente ou sobre alguma condição médica.