Sobre o desenvolvimento da linguagem
Por Dr. Bettye M. Caldwell
Provavelmente, conhece o jogo "20 Perguntas", certo? Só este ano, os pais fizeram-me mais de 20 perguntas acerca do desenvolvimento da linguagem e da fala. É por isso que o título "20 perguntas sobre o desenvolvimento da linguagem" parece ser adequado para este artigo, que aborda essas questões e preocupações.

Noutro artigo que escrevi recentemente para este site, "In So Many Words" (Em tantas palavras), tranquilizo os pais cujos filhos começam a falar ligeiramente mais tarde do que o esperado, lembrando-lhes que as idades em que cada criança atinge diferentes metas na linguagem variam imenso. A idade "média" não diz tudo.

Neste artigo, refiro 20 formas de estimular o desenvolvimento da linguagem em crianças pequenas. Ao fazê-lo, estou a adaptar uma apresentação que eu e a minha amiga e colega Dra. Alice Honig, da Universidade de Siracusa, fizemos há uns anos num encontro da National Association for the Education of Young Children. Na altura, as nossas sugestões destinavam-se aos professores, mas elas são ainda mais importantes para os pais. Estas sugestões são úteis, quer o seu pequenino esteja atrasado, no tempo certo ou adiantado no desenvolvimento da linguagem.

Analisemos as minhas 20 respostas.

1) Reaja ao som com som, à fala com fala. Quando o seu bebé emitir sons sem nexo, faça esses mesmos sons para ele. De vez em quando, aja como se soubesse exatamente o que esses sons significam: "Ah, queres sair do teu berço, não é?" Outras vezes, responda simplesmente com sons divertidos.

2) Encontre tempo para “sentar e falar” com o seu bebé todos os dias. Cuidar de um bebé requer tanto tempo que pode ser difícil encontrar momentos extra apenas "para falar". Além disso, alguns pais sentem-se ridículos ao falarem para um bebé. No entanto, é um tipo de interação muito importante. Posicione o bebé de forma que a sua cara fique próxima da dele e desenvolva qualquer assunto que lhe venha à cabeça. E certifique-se de que lhe dá oportunidades de "responder".

3) Fale numa linguagem clara. A maior parte de nós falamos muito por entre dentes. Além disso, é frequente termos imensas coisas diferentes a produzir sons ao mesmo tempo (secador, máquina de lavar, rádio ou TV, conversas telefónicas). Demasiado barulho influencia a aprendizagem da linguagem.

4) Associe palavras a ações. Utilize gestos quando falar para o seu pequenino. E associe ações às suas palavras. "Vou ao armário buscar uma bolacha para ti (aponte à medida que caminha).

5) Identifique objetos e ações para o seu bebé. Por vezes, um pai precisa de ser como um jornalista a dar uma notícia em primeira mão. Faça um comentário enquanto cumpre a sua rotina. "Vou guardar estas roupas e depois vamos ao supermercado". Destaque algumas palavras-chave.

6) Ajude as crianças a comunicarem por gestos. Faça jogos de estimulação assim que o seu bebé conseguir aguentar-se na posição de sentado à sua frente. Com crianças ligeiramente mais velhas, brinque a imitar através de gestos. Enquanto se aproxima da cadeira auto do seu pequenino, erga os braços e diga "Estás a ficar tão grande que quase não consigo levantar-te da tua cadeirinha". A propósito, alguns especialistas da linguagem consideram que as crianças muito pequenas deviam aprender linguagem gestual. É uma ideia intrigante.

7) Faça a sua linguagem corresponder ao nível de linguagem do seu filho em parte do seu discurso. Isto não quer dizer que tenha de falar como um bebé ou usar frases curtas a toda a hora. Mas se o seu bebé começar a chamar "Bó" à avó, refira-se a ela da mesma forma, pelo menos algumas vezes. No entanto, use também linguagem simples e "correta"; é importante que as crianças pequenas ouçam um discurso claro de adulto.

8) Ao falar, ajude as crianças a aprenderem a pensar. Diga coisas que a façam refletir ou recordar. "Onde é que deixaste a tua camisola?" "Vamos lá para fora um bocadinho antes do almoço. Vai buscar o teu casaco." Frases deste género ajudam a tornar a memória importante para a criança e a demonstrar uma sequência temporal para as atividades.

9) Lembre-se dos verbos, os músculos da linguagem. É fácil pensar que, se o seu filho conhecer substantivos suficientes, saberá palavras que cheguem. Mas a complexidade da linguagem requer o uso sofisticado de verbos. Se disser: "Agora vamos dar um passeio", dê o mesmo ênfase a "vamos" e a "passeio".

10) A partir dos 12 meses, faça muitas perguntas. Nada estimula o pensamento como uma pergunta. O seu pequenino não consegue responder a uma pergunta sem pensar no que você disse. À medida que for crescendo e que fale mais, responda às suas perguntas com outra pergunta. Certifique-se de que algumas das suas perguntas permitem várias respostas e não se limite a esperar uma resposta única. Por exemplo, quando estiver a ler um livro, faça uma pausa e pergunte: "O que é que achas que aquela menina vai fazer agora?"

11) Ajude o seu filho a tornar-se um bom ouvinte e observador. Destaque pontos de interesse na paisagem enquanto conduz. Não deixe o seu filho ter sempre o rádio ligado ou uma cassete a tocar. Incentive as cassetes apenas quando lhe parecer que ele está a ouvir.

12) Assegure-se de que a linguagem é maioritariamente alegre e positiva. Algumas crianças ouvem muito poucas palavras positivas: "Cala-te." "Desce daí." "Não batas no teu irmão." Se uma elevada percentagem das palavras a ele dirigidas representarem desagrado, não espere que ele queira falar.

13) Ajude as crianças a exprimirem sentimentos e a aprenderem palavras que descrevam os seus sentimentos. "Hoje estás triste?" "Acho que estás mesmo zangado." "Fico muito feliz quando partilhas brinquedos com a tua irmã." O facto de ter palavras para descrever sentimentos ajuda uma criança a compreender e a controlar esses sentimentos.

14) Seja paciente quando ele tentar dizer-lhe algo e não conseguir propriamente exteriorizar.. Por vezes, as crianças pequenas tateiam as palavras e têm maior dificuldade em verbalizar algo. Muitas (sobretudo os rapazes) repetem letras, sílabas ou palavras como parte do seu esforço. Mantenha-se ao nível dele e aguarde pacientemente pelo seu progresso. O que quer que faça, resista à tentação de dizer: "Tem calma e para de repetir as coisas."

15) Leia, leia, leia ao seu filho. Não deixe passar um dia sem que lhe leia, pelo menos, um livro, de preferência dois ou três. Faça das idas às bibliotecas rituais familiares. Deixe-o apontar para os desenhos enquanto diz certas palavras. "Mostra-me o cãozinho."

16) Ajude as crianças a começarem a ver a relação entre a linguagem oral e a escrita. Obviamente, isto está relacionado com a sugestão anterior. Com o seu filho em idade pré-escolar, aponte para palavras-chave. Conte a história de um livro favorito e depois diga: "Se não ler as palavras que vêm no livro, a história acaba sempre de forma um pouco diferente.

17) Ensine palavras que envolvam elogios, amigos e aceitação. Existe expressão mais importante na linguagem do que "obrigado"? Talvez "por favor". É possível aprendê-las numa idade precoce, e elas têm de ser usadas regularmente, tanto por si como pelo seu filho.

18) Incentive a memorização simples. As crianças adoram poemas simples e músicas infantis há séculos. Ajude-a a memorizar alguns favoritos. E ajude-a a aprender o nome dela e os nomes de outras pessoas da família mais próxima e mais afastada. À medida que se aproximar dos 5 anos, concentre-se na sua morada e número de telefone.

19) Não se esqueça das canções. Cante (e represente) canções favoritas vezes sem conta. Se não causar desconforto, deixe-o cantar as canções para familiares e vizinhos.

20) Escute o seu filho. Abordei todos os aspetos desta recomendação, que deriva logicamente da primeira sugestão, que a encoraja a reagir a qualquer som produzido. Você não pode reagir se não ouvir. As crianças não falarão se ninguém estiver a ouvir, sobretudo se os pais não o fizerem!

Estas 20 respostas representam uma forma simplificada de a ajudar a estimular o desenvolvimento da linguagem nos seus filhos. Não precisa de as memorizar mas seria uma boa ideia relê-las de vez em quando. Tal como os seus filhos não aprendem tudo à primeira e precisam de repetição e prática, o mesmo acontece consigo. As sugestões oferecem um contexto para ajudar as crianças a perceberem a sua humanidade plena - a capacidade de comunicarem de forma eficaz com os outros. Os pais desempenham um papel importante no processo.