icon-arrow-down icon icon-arrow-fill-down icon icon-arrow-next icon icon-arrow-prev icon icon-tag-close icon

Assuntos de Família

Será que você debe obrigar o seu filho a abraçar e beijar os adultos?

Sabemos que fica chato quando a criança não quer dar um beijinho na vovó, mas os pais também precisam compreender a situação.

Por Sasha Brown-Worsham
compartilhar
Getty Images

A minha filha não quer mais abraçar ou dar um beijinho. É uma das tragédias que os pais tem que lidar. Assim que a criança começa a ficar com mais mobilidade e independência, ela sempre tenta dar uma fugidinha dos braços dos pais para tentar pegar alguma coisa. E enquanto isso, eu peço um beijo e ganho um: "Depois, mamãe".

Mas quando os meus filhos optam por não beijar ou abraçar um parente ou amigo—e acabam magoando essa pessoa—eu entro em conflito. Do mesmo jeito que eu quero que meus filhos sejam educados e amorosos, eu também quero que eles aprendam a dizer não quando não se sentirem à vontade. Aqui veremos o que os especialistas aconselham a fazer quando o seu filho não quer beijar ou abraçar um adulto.  

Converse antes com a criança. Para a criança, é mais fácil te falar o motivo em particular antes do que ter que te confrontar depois. Então, se você suspeita que a criança não se sente confortável com a situação, fale antes a respeito para esclarecer o que sugerir na hora. Quem sabe um beijinho só? Um abraço? Um aperto de mão diferente? Assim, fica mais fácil para todo mundo lidar com isso, diz Dr. Logan Levkoff, especialista em educação sexual humana e co-autor do livro Got Teens? The Doctor Moms’ Guide to Sexuality, Social Media, and Other Adolescent Realities, ainda sem tradução para o português.

Ensine outras maneiras de cumprimentar as pessoas. "Algumas crianças precisam de mais tempo para dar um abraço ou um beijo, mas um cumprimento receptivo seria um sorriso, um olá ou um toque de mão. Você está ensinando a criança que reconhecer e cumprimentar a outra pessoa é algo prazeiroso para os dois", diz Dr. Fran Walfish, psicólogo da família e autor de The Self-Aware Parent, ainda sem tradução para o português.

Avise os adultos com antecedência. É uma boa ideia avisar os adultos antes, se você acha que a criança não vai dar o esperado beijinho. Explique que é importante não pressionar e ajude-os a encontrar outra maneira de se conectar com a criança. 

Comece a usar a palavra "consentimento" ou "permissão". E não tem nada a ver com sexo, mas o ideal é já usar essa palavra desde cedo, de acordo com o Dr. Levkoff. "É uma coisa difícil para as crianças entenderem, mas é importante que eles tenham algum controle de seus corpos", diz Dr. Levkoff. "Comece a fazer perguntas do tipo " Você deu consentimento/permisssão para o seu irmão brincar com o seu brinquedo?" Conforme crescem, a palavra em si não será tão assustadora—e as crianças terão mais formas para expressar suas preocupações. 

Treine e brinque. Uma dica que Levkoff dá é treinar e imaginar diferentes situações com a criança com certa antecedência. Por exemplo, o que será que vai acontecer quando a vovó entrar por aquela porta? Dessa forma, a criança se prepara melhor para lidar com essa e outras situações que possam surgir.

Nossos conselhos aos pais são apenas sugestões. Recomendamos que você também consulte um médico caso sua dúvida seja urgente ou sobre alguma condição médica.